sexta-feira, 8 de setembro de 2017

HUMANO, SOCIAL E SINGULAR


Roberto Gameiro

Bernard Charlot escreveu que um aluno é também, e primeiramente, uma criança ou um adolescente, isto é, um sujeito, que é um ser humano, social e singular (Da relação com o saber, 2000).
Como ser humano, espera-se que construa uma personalidade que o leve à autonomia, ao discernimento e, especialmente, à responsabilidade. Como ser social, espera-se que aprenda a viver com os outros, compreendendo-os, somando e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de todos. Como ser singular, espera-se que aprenda a conhecer, utilizando-se das informações para construir conhecimentos e competências que lhe permitam movimentar-se pelas inúmeras possibilidades de fazeres que a vida lhe proporcionará (veja Relatório Delors-Unesco, 1999)
Para construir-se como ser humano, social e singular, o sujeito depende fundamentalmente da convivência. É no “estar e conviver com os outros” que o indivíduo se torna “pessoa” com as inerentes racionalidade, consciência de si, capacidade de agir e discernimento de valores (Aurélio Século XXI).
Consequentemente, espera-se que o processo de educação da criança e do adolescente proporcione as condições necessárias para que essa formação se dê a contento e plenamente.
Entretanto, a nossa sociedade não está conseguindo ser competente o suficiente para dar esse suporte, e isso se dá, por razões diferentes, em quase todos os segmentos sociais, com raras exceções.
A nossa Constituição preconiza, no seu artigo 205, que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família, e será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade; portanto, no ambiente macro, o dever é do Estado, e, no ambiente micro, a responsabilidade pela educação dos filhos é da família.
Ocorre que, por razões também diversas, muitas famílias estão “terceirizando” a educação dos filhos para a escola, a qual deveria estar agindo apenas como agente complementar. E isso não é de hoje. E não tem dado certo.
Aí está um dos desafios que temos de enfrentar para resolver, mesmo que a longo prazo, as mazelas que assolam o país. E, como já fizeram muitos países que hoje despontam como referência em qualidade de vida da população, isso se dará pelo aprimoramento do processo de educação das crianças e dos jovens, em casa e na escola, o que resultará, com certeza, em menos violência urbana, menos corrupção e mais solidariedade e amorosidade nas relações sociais.
Artigo editado e publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 18/07/17.

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Share:

Um comentário:

  1. Parabéns pelo artigo. É desafiador oferecer ao jovem o protagonismo da própria vida no contexto atual.

    ResponderExcluir

TRADUZA - TRANSLATE

Sobre Roberto Gameiro

Sobre Roberto Gameiro
Mestre em Administração com ênfase em Gestão Estratégica de Organizações, Marketing e Competitividade. Pedagogo habilitado em Administração e Supervisão Escolar, Licenciado em Letras Modernas. Pós-graduado com Especialização em Avaliação Institucional Escolar. Diretor de escolas de Educação Básica, professor universitário e de Educação Básica e diretor de obras sociais. É palestrante, consultor e mentor. Articulista, tem seus artigos publicados em jornais, revistas e redes sociais.

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

Sobre o Blogue

ESTE BLOGUE ABRIGA ARTIGOS SOBRE “EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES” E SOBRE “GESTÃO ESCOLAR”. NA SEÇÃO “EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES”, ESPERA-SE QUE OS ARTIGOS POSSIBILITEM LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA, ESPECIALMENTE COM OS FILHOS, NAS DIVERSAS FAIXAS ETÁRIAS. NÓS PAIS ESTAMOS SEMPRE PROCURANDO ENCONTRAR VIAS DE COMUNICAÇÃO COM OS NOSSOS FILHOS, MAS NEM SEMPRE ENCONTRAMOS O VEIO PROPÍCIO, NÃO É? AQUI ESTÁ UMA POSSIBILIDADE. NESTA SEÇÃO, A PRIMEIRA REVISORA E COLABORADORA É A DRA. VALESCA BOTELHO, MINHA ESPOSA, MÉDICA PEDIATRA (CRM-TO 357). NA SEÇÃO “GESTÃO ESCOLAR”, ESPERA-SE QUE OS ARTIGOS CONSTITUAM SUBSÍDIOS ÚTEIS PARA AS ÁREAS DE DIREÇÃO, SUPERVISÃO, COORDENAÇÃO E DOCÊNCIA. SÃO PUBLICADOS, TAMBÉM, TEXTOS DE OUTROS AUTORES, QUE AGREGUEM VALOR AOS OBJETIVOS DO BLOGUE. BOAS LEITURAS!

SEGUIR POR E-MAIL

Pesquisar neste blogue

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa