segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

CONHECIMENTO E SABER


 Roberto Gameiro
  
  “Onde está a sabedoria que perdemos no conhecimento?                                                                  Onde está o conhecimento que perdemos na informação?"         T. S. Eliot


Diversos são os olhares que se pode ter a respeito do que se entende por “conhecimento” e do que se entende por “saber”. 

Bernard Charlot(1), reportando--se a Montiel(2), afirma que o conhecimento é o resultado de uma experiência pessoal ligada   à   atividade de um sujeito provido de qualidades afetivo-cognitivas; como tal, é intransmissível, está sob a primazia da subjetividade; mas, é uma informação de que o sujeito se apropria; afirma, também, que desse ponto de vista é também conhecimento, porém desvinculado do invólucro dogmático no qual a subjetividade tende a instalá-lo. E completa que o saber é produzido pelo sujeito confrontado a outros sujeitos, é construído em quadros metodológicos, e pode, portanto, entrar na ordem do objeto tornando-se, então, um produto comunicável, uma informação disponível para outrem. 

Sob o meu olhar, então, a mesma informação transmitida para dois sujeitos propiciará a construção de conhecimentos com características diferentes em cada um deles, na medida em que a construção de um novo conhecimento depende da interação que a nova informação terá com os conhecimentos prévios já existentes na memória de cada um deles. Por isso, o conhecimento é uma pertença do sujeito, algo inédito, ímpar nas suas particularidades. Quando, através da linguagem, você se propõe a “transmitir” um conhecimento, nesse momento ele volta à condição de informação e toma a forma de “saber”.  



Assim, poderíamos considerar, como forma de provocar reflexão e debate, que “conhecimento” está para o subjetivo, o individual, o psicológico, a moral, o não transmissível, enquanto “saber” está, na mesma ordem, para o objetivo, o coletivo, o sociológico, a ética e o transmissível. 



Conhecer as características de cérebro, mente, tipos de memória, informação, dados, conhecimento e saber é habilidade necessária para todos os que se pretendem pesquisadores, como forma de enriquecer seus fundamentos teóricos para desenvolver uma práxis adequada ao nosso tempo.



Paulo Freire escreveu no seu “Pedagogia da Autonomia” que não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino e que esses quefazeres se encontram um no corpo do outro. E, ainda, que “enquanto ensino continuo buscando, reprocurando, que ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago, e pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar ou anunciar a novidade”.



Há os que dizem que “na prática a teoria é outra”. Eu prefiro a máxima de que “na prática, nada melhor do que uma boa teoria”. 



 E, como escreveu Platão: “a coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento”. 



Referências 



1 - Charlot, Bernard. Da Relação com o Saber: elementos para uma teoria.    Trad. Bruno Magne, Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000. 



2 - Monteil, Jean-Marc. Dynamique sociale et systèmes de formation, Paris, Éditions Universitaires, 1985.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br.


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:

PORTFÓLIO DE ROBERTO GAMEIRO - CLIQUE AQUI

Share:

Um comentário:

ROBERTO GAMEIRO - FORMANDO CIDADÃOS CONSCIENTES

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa