sexta-feira, 3 de agosto de 2018

CRIANÇAS SEM LIMITES

Mãos, Proteger, Proteção, Pai, Família

Roberto Gameiro

Se os pais não colocarem limites nos filhos, quem vai fazê-lo? A Fonoaudióloga, a Pediatra, a Psicóloga, a Neurologista? Limites quem coloca são o pai e a mãe. É responsabilidade intransferível deles, junto da colocação de valores morais e éticos. A uma mãe, a um pai, deveria bastar um olhar, firme, sério, para fazer com que um filho, uma filha, se porte adequadamente em qualquer lugar: em casa, no clube, no shopping, no condomínio. Aos meus filhos, quando crianças e adolescentes, bastava um olhar da mãe, que eles chamavam de “olhar 43”, e pronto; tudo sob controle. 

Salvo casos comprovados de alguma patologia, que deverá ser acompanhada pelos profissionais citados, e outros, a verdade é que as crianças estão “deitando e rolando” sobre pais assustados que não sabem o que fazer para colocar limites nos filhos. E evitam tomar atitudes mais firmes para “não os traumatizar”. E procuram os consultórios na esperança de um “remedinho” que os faça acalmar.

Há crianças que ainda em tenra idade batem nos pais. Alguns acham isso até engraçado, e riem da atitude peralta da criança. Se isso não for coibido logo, essas “crianças peraltas e engraçadinhas”, quando adolescentes, vão continuar batendo, inclusive nos irmãos e nos amigos.  O ditado “é de pequenino que se torce o pepino”, desculpem a comparação, vale para essas situações. 

Não tem essa de chamar o filho de “amigo”, “amigão”. Filho é filho e não “amigão”. Pai e mãe não são amiguinhos dos filhos. São pai e mãe, e como tal precisam ser vistos e respeitados pela sua prole. Claro que o amor parental contém os atributos do afeto, da amizade, da ternura, componentes indissociáveis, mas sem que se abdique da autoridade inerente. Chamar os filhos dessa forma cheira a fuga da atribuição de colocar limites; “afinal, amigo é amigo”, nada mais.

Sempre é bom lembrar, entretanto, o que reza o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA): “Art. 18-A. A criança e o adolescente têm o direito de ser educados e cuidados sem o uso de castigo físico ou de tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação ou qualquer outro pretexto, pelos pais, pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis (...)”.

O movimento “Amor Exigente” tem uma frase bem apropriada: “meu filho, eu amo muito você, mas não posso concordar com o que você está fazendo”. Pena que alguns pais resolvam demonstrar o amor que têm pelos filhos colocando-se contra a escola quando esta toma alguma atitude mais firme em função de indisciplina e desrespeito. Educação se traz de casa; a escola é parceira no aprendizado.

Ora, se os pais não assumirem a responsabilidade por colocar limites nos filhos, quem fará isso no futuro: a polícia?

(Leia também)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br

Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:

PORTFÓLIO DE ROBERTO GAMEIRO - CLIQUE AQUI




Share:

6 comentários:

  1. Parabéns pela abordagem do tema. Crianças sem limites serão adultos imaturos e sem domínio próprio. Qualquer frustração na vida poderá desestabiliza -los. Muito bem colocado.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente hoje os pais se deixaram virar reféns dos filhos,muitos preferem abrir mão da educação da criança para não t ter que encarar de frente os problemas e as correções dos filhos muitos por não estarem preparados para serem pais e até mesmo pela cobrança da sociedade que acha um escândalo o filho ser repreendido em público por algo errado que fez.infelizmemte hoje claro que não todos mas a sociedade em geral coloca em segundo plano valores éticos e morais e coloca o errado e a má formação do cidadão como normal.

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente hoje os pais se tornaram reféns dos próprios filhos.Os pais de hoje querem dar aos filhos uma liberdade que acham que não tiveram e se dizem amigos deles o que é errado,pois primeiro ele tem que ser pai e depois amigo
    Á falta de limite para mim é simplesmente uma maneira dos pais fugirem a sua responsabilidade de educar e preparar os filhos para vida.Infelizmente no meu modo de ver os pais parecem ter medo de repreender os filhos e serem questionados pela sociedade e isto é um grande erro pois no cenário atual a sociedade está falida no que diz respeito e valores morais e até humanos que estão ficando em segundo plano.

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto. Colocação perfeita da responsabilidade dos pais.

    ResponderExcluir
  5. Excelente colocação sobre o tema e o maior desafio que temos nas escolas é a indisciplina!

    ResponderExcluir

SIGA-ME: Clique aqui embaixo

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE (digite)

PÁGINAS COM MENSAGENS DE ROBERTO GAMEIRO

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa