sábado, 13 de junho de 2020

CONSTRUINDO UM SENTIDO PARA A VIDA


Roberto Gameiro
Educar as crianças e os jovens é uma nobre missão e um grande desafio que pais e educadores enfrentam no seu dia a dia nesta sociedade globalizada em que os relacionamentos se tornam cada vez mais complexos, as individualidades prosperam e costumes antes muito valorizados deixam de sê-lo, contribuindo para uma certa anestesia social, um descompromisso com o outro, um descompasso relacional.
Por isso, é sempre bom valorizarmos, priorizarmos e enfatizarmos aquelas posturas que dão norte saudável aos relacionamentos e contribuem positivamente para que a vida seja mais leve, mais agradável e com mais qualidade.
Jung Mo Sung escreveu que é preciso assumir um sentido para a sua vida para que as coisas e pessoas possam ser “organizadas” dentro de sua visão do mundo. Sem um sentido último da vida, nós não conseguimos estabelecer uma certa direção para a nossa vida. E acrescenta que é por isso que pessoas que não encontraram o sentido para a sua vida se sentem perdidas e têm muita dificuldade em articular os fatos e experiências da sua vida. (Educar para reencantar a vida – 2007)
A alegria é a força que contagia as pessoas e melhora os ambientes,  tornando-os lugares de aconchego, ternura, carinho, e valorizando as maravilhas da criação e da cultura humana, exaltando os acontecimentos que aquecem o coração e conduzem à paz.
Paulo Freire acrescenta que “a minha abertura ao querer bem significa a minha disponibilidade à alegria de viver. Justa alegria de viver, que, assumida plenamente, não permite que me transforme num ser “adocicado”, nem tampouco num ser arestoso e amargo.”. (Pedagogia da autonomia – 2000)
A amorosidade é, também, tema recorrente em Paulo Freire, que relacionando amor e diálogo,  escreveu:
Sendo fundamento do diálogo, o amor é, também, diálogo. (…) Ao fundar-se no amor, na humildade, na fé nos homens, o diálogo se faz uma relação horizontal, em que a confiança de um polo no outro é consequência óbvia. Seria uma contradição se, amoroso, humilde e cheio de fé, o diálogo não provocasse este clima de confiança entre seus sujeitos. (Pedagogia do Oprimido – 1987)
Mas, por que relacionar “alegria“, “amorosidade” e “diálogo” com “sentido de vida”?
Sentido de vida não se “busca”. Sentido de vida se constrói. Para se construir um projeto de vida deve-se sonhar, planejar e viver em um movimento dinâmico de construção e reconstrução de si mesmo.
Nada disso se faz sem a necessária alegria que deve estar sempre presente nos encontros, nos reencontros, na partilha, na convivência fraterna, no respeito mútuo, ou seja, nos diálogos. O afeto, a alegria, o sorriso nos lábios, o brilho no olhar são fatores catalisadores de relações sadias, autênticas, amorosas, construtivas e sementes de reciprocidades promissoras.
Na Wikipédia, encontramos a palavra japonesa “Ikigai” que significa um estilo de vida que preconiza, entre outros propósitos, que “A busca pelo sentido na vida está (na sociedade moderna) profundamente ligada ao entendimento de Quem Somos (nossas crenças, relacionamentos, cultura, formação, etc), mas também em boa parte sobre O Que Fazemos (profissão, vocação, trabalho, lazer, etc). Assim, em muitos casos nossa percepção sobre nossa Razão de Ser dificilmente estará completa sem encontrarmos consonância entre o que somos e o que fazemos.”. (https://pt.wikipedia.org/wiki/Ikigai)
Precisamos de líderes que realmente vivam a Boa Nova e sejam verdadeiros discípulos missionários de Jesus Cristo, para juntos promovermos as mudanças que a sociedade requer. Isso se faz melhor com alegria, amorosidade, diálogo e, principalmente, com sentido de vida bem construído na nossa individualidade; desta forma, poderemos colaborar para um sentido mais significativo de vida para todos.
A educação, na escola e na família, entre outras finalidades, deve ajudar o educando a criar, a inventar, a construir um sentido para a sua vida e a torná-lo uma pessoa do bem e comprometida com a construção de uma sociedade melhor.
Assim, talvez tenhamos menos jovens construindo sentido para suas vidas na adesão a propostas inconfessáveis e ou socialmente destrutivas.
(Leia também) (Siga-me) (Compartilhe!)
Artigo editado e publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 28/01/16, no “Jornal do Tocantins” em 30/01/16, no “Diário Indústria e Comércio” – digital – em 03/02/16, na revista “Brasília.com” em 01/03/16 e na revista "Nova família" em 11/03/20.

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br

Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br

Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:






Share:

3 comentários:

  1. Parabéns ao amigo Roberto Gameiro pelo excelente trabalho de publicação dos artigos, os quais são de suma importância para o nosso trabalho na escola, na convivência familiar e no meio social. Obrigado pela grande contribuição!

    ResponderExcluir
  2. Olá Prof. Roberto. Tomei a liberdade de publicar seu artigo no Linkedin.
    Procurei traçar uma polêmica sobre o assunto. Abs

    ResponderExcluir

SIGA-ME: Clique aqui embaixo

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE (digite)

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

CÓPIA, REPRODUÇÃO, CITAÇÃO E COMPARTILHAMENTO

Autorizadas, desde que com a inclusão dos nomes do blogue e do autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa