domingo, 14 de julho de 2019

INFORMAÇÃO VERSUS SABEDORIA

Atenas, Grécia, Minerva, Romano, Deusa


Roberto Gameiro

Muitas informações, muitos dados, poucos conhecimentos, saberes escassos, pouquíssima sabedoria.

Assim é o momento histórico que vivemos. Há os que dizem que vivemos a época do conhecimento. Ledo engano. Vivemos, isso sim, a época da informação.

Isso porque para se afirmar que vivemos uma época disto ou daquilo, é preciso que a maioria da população esteja vivendo as causas e consequências daquela pertinência.

Não é o que acontece no nosso país.

Há muitas informações, verdadeiras e falsas, circulando no mundo virtual e à disposição de quem acessar.

Entretanto, para transformar uma informação em conhecimento, o sujeito tem de compreendê-la, analisá-la, interpretá-la; pelo menos.

Aí está o busílis; o nosso sistema educacional não está conseguindo levar os jovens a adquirir essas mínimas competências, como demonstram os resultados de provas nacionais como o IDEB (Índice de desenvolvimento da Educação Básica) e internacionais como o PISA (Programa internacional de Avaliação de alunos).

Portanto, não há que se dizer que vivemos uma época do conhecimento. Pelo menos, para a maioria da população brasileira.

Um conhecimento, quando comunicado, se torna um saber. E é o conjunto dos saberes disseminados que compõe a sabedoria válida de um povo.

A construção de novos conhecimentos tem sido privilégio de um pequeno percentual de cidadãos, que têm e tiveram acesso a um processo educacional e de aprendizado, na família e na escola, que os tornaram aptos a compor o concerto daqueles que representam e alimentam a sabedoria do povo brasileiro. É um grupo de homens e mulheres de todas as classes sociais que honram e dignificam a nossa cidadania com suas contribuições nos diversos segmentos da vida nacional.

Entretanto, é pouco.

Os países que conseguiram vencer essas barreiras privilegiaram o sistema educacional amplo como base e sustentáculo para o desenvolvimento sustentável e perene. Vejam os exemplos da Finlândia e do próprio Japão.

Sabemos muito bem, de há muito, onde estão as nossas fragilidades. Falta o enfrentamento desses desafios.

Vamos juntos preparar os jovens para que sejam capazes de transformar informações e dados em conhecimentos, saberes e, consequentemente, em sabedoria!

Artigo publicado no jornal "O Popular" de Goiânia em 15/06/19.

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br.


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor nas áreas de “Gestão de escolas de Educação Básica” e “Educação de crianças e adolescentes”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br.

Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:


Share:

domingo, 30 de junho de 2019

OS ADOLESCENTES E O ÁLCOOL (2) Meninas bebem mais



Mulher, Desespero, Álcool, Garrafa

Roberto Gameiro

Já se disse que não vivemos apenas uma época de mudanças, mas sim uma mudança de época.

Daniela Diana, licenciada em letras pela UNESP, escreveu que “A mudança social é a transformação da sociedade e do seu modo de organização. Decorre de hábitos e costumes que deixam de fazer ou que começam a fazer parte do cotidiano das pessoas” e ainda que “Como qualquer mudança, há uma série de consequências benéficas e outras menos benéficas para a sociedade. A mudança, muitas vezes tida como sinônimo de progresso, pode, por outras vezes, ir ao encontro da perda de valores.”.
(Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/mudanca-social/ > Acesso em: 22 jun. 2019.)

A nossa sociedade está mudando com uma velocidade nunca antes experimentada, ocorrendo em todos os segmentos, com ênfase especial entre os mais jovens, mais suscetíveis e provocativos em termos de questionamentos do status quo.

Revista de grande circulação nacional publicou recentemente uma reportagem na qual informa que “Estudo realizado pelo Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), com base em dados do IBGE, mostrou que 25,1% das garotas com idade entre 13 e 15 anos bebem ao menos uma dose por mês – há uma década, eram 20%. Entre os garotos, o índice é de 22,5% - dez anos atrás, batia nos 28%. A mudança ilumina um novíssimo problema: elas bebem mais do que eles”.

Esse fenômeno se torna mais grave ao se constatar (e não é difícil fazê-lo) que em muitos casos acontece com o conhecimento e a conivência dos próprios pais.

Todos sabemos que a venda ou o fornecimento, mesmo que gratuito, de bebida alcoólica para menores de dezoito anos é proibida por Lei. Mas, Lei, ora a Lei. Muitos adolescentes recorrem a colegas maiores de 18 anos para a compra da bebida – isso, sem contar que muitos possuem cédulas de identidade falsas...

Acresça-se a grande quantidade de opções de bebidas alcoólicas de sabor adocicado, mais palatáveis para as jovens, que inunda os mercados.

Ainda na mesma reportagem, a revista cita Ludhmila Abrahão Hajjar, do Hospital Sírio-Libanês e do Instituto do Coração, em São Paulo, que afirma que “A vulnerabilidade feminina, nesse aspecto, é notória. O organismo da mulher tem quantidades menores de enzimas responsáveis pela metabolização do álcool, o que faz com que a substância demore mais tempo para ser eliminada.”.

Dizem que o primeiro passo para resolver um problema é identificá-lo. Esse problema está mais do que identificado e delimitado. Há que se buscar formas de resolvê-lo ou, pelo menos, minimizar suas consequências em relação à saúde das mulheres, hoje jovenzinhas, que se deixam levar pelo equívoco do prazer enganoso da bebida alcoólica.

Artigo editado e publicado no jornal "O Popular" de Goiânia em 27/06/19, sob o título "Adolescentes e o álcool".

Leia também o artigo “Os adolescentes e o álcool (1)” acessando: https://www.textocontextopretexto.com.br/2017/09/os-adolescentes-e-o-alcool.html

Share:

segunda-feira, 17 de junho de 2019

A ESCRITA CURSIVA


Livro, Pão, Brilhante, Estufada, Café

Roberto Gameiro

Conta-se que certo escritor rascunhava seus textos manuscrevendo-os e depois sua secretária os transcrevia. Ocorre que certa vez a secretária não conseguiu entender uma passagem manuscrita e pediu ajuda ao escritor. Ele tentou ler o que havia escrito e, depois de várias tentativas, devolveu a ela e, parafraseando o que se atribui a Hegel, disse:

- Quando eu escrevi esse texto, eu e Deus sabíamos o que estava escrito;

- Agora, só Deus!

Nos Estados Unidos, muitos Estados aboliram a letra cursiva nas escolas, sob a alegação de que o uso cada vez mais frequente, pelos alunos, de computadores, torna desnecessário que a criança concentre esforços na forma cursiva. Magda Becker Soares, professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, afirma que a abolição da letra cursiva na escola não traz perda propriamente na aprendizagem escolar, mas sim na aprendizagem para a vida social, nas comunicações pessoais como bilhetes, listas de compras, atividades que a escrita com lápis e papel resolve mais rapidamente, preservando a intimidade da comunicação.

Entre os médicos, a situação está sendo amenizada, já que muitos utilizam o computador para “escrever” suas receitas.  No site do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas, há um artigo da revista Superinteressante de maio de 2009 que informa que aquele sistema registrou, só em 2007, 1853 casos de intoxicação por erros de administração, dos quais, pelo menos 10% por “garranchos médicos”. Talvez por isso, o art. 11 do Código de Ética do CFM prevê que é vedado ao médico “receitar...ou emitir laudos...de forma...ilegível”.  No dicionário eletrônico “Aurélio”, versão 7.0, a expressão “letra de médico” é definida como: “letra muito ruim, mais ou menos ininteligível”. Entretanto, não se pode generalizar; há médicos com letras exemplares. Por outro lado, não creio que nessa área, especialmente, a letra deva ser uma das principais competências dessa nobre profissão.

Nas escolas, públicas ou privadas, não há uma generalização da importância do ensino da escrita cursiva, faltando iniciativas para assumir a importância da caligrafia como parte do aprendizado escolar. Parece que muitos professores e gestores têm receio de serem taxados de “atrasados” se insistirem nesse ensino e nesse aprendizado. O fato, porém, é que, em geral, as nossas crianças e os nossos adolescentes escrevem muito mal, sendo difícil entender o que eles querem dizer nos seus textos. 

Lembremo-nos de que a redação do ENEM, conforme a “Cartilha do Participante”, deve ser manuscrita com letra legível (não necessariamente cursiva), para evitar dúvidas no momento da avaliação, e que redação com letra ilegível não poderá ser avaliada.

Ademais, a versão final da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) faz referência à escrita cursiva como “habilidade” essencial nos 1º e 2º anos do Ensino Fundamental.

Mesmo com o avanço da tecnologia e com a facilidade da escrita digital, que tem os seus méritos sem dúvida, há que se enfatizar, também, com as crianças e jovens, o aprendizado da escrita cursiva. 

Afinal, ela não foi abolida do nosso dia a dia.
Ainda.
Artigo editado e publicado no jornal "O Popular" de Goiânia em 03/12/2017.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br

Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:

PORTFÓLIO DE ROBERTO GAMEIRO - CLIQUE AQUI



Share:

segunda-feira, 10 de junho de 2019

HUMANO, SOCIAL E SINGULAR


Roberto Gameiro

Bernard Charlot escreveu que um aluno é também, e primeiramente, uma criança ou um adolescente, isto é, um sujeito, que é um ser humano, social e singular (Da relação com o saber, 2000).
Como ser humano, espera-se que construa uma personalidade que o leve à autonomia, ao discernimento e, especialmente, à responsabilidade. 
Como ser social, espera-se que aprenda a viver com os outros, compreendendo-os, somando e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de todos. 
Como ser singular, espera-se que aprenda a conhecer, utilizando-se das informações para construir conhecimentos e competências que lhe permitam movimentar-se pelas inúmeras possibilidades de fazeres que a vida lhe proporcionará (veja Relatório Delors-Unesco, 1999)
Para construir-se como ser humano, social e singular, o sujeito depende fundamentalmente da convivência. É no “estar e conviver com os outros” que o indivíduo se torna “pessoa” com as inerentes racionalidade, consciência de si, capacidade de agir e discernimento de valores (Dicionário Aurélio Século XXI).
Consequentemente, espera-se que o processo de educação da criança e do adolescente proporcione as condições necessárias para que essa formação se dê a contento e plenamente.
Entretanto, a nossa sociedade não está conseguindo ser competente o suficiente para dar esse suporte, e isso se dá, por razões diferentes, em quase todos os segmentos sociais, com raras exceções.
A Constituição do Brasil preconiza, no seu artigo 205, que a educação é direito de todos e dever do Estado e da família, e será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade; portanto, no ambiente macro, o dever é do Estado, e, no ambiente micro, a responsabilidade pela educação dos filhos é da família.
Ocorre que, por razões também diversas, muitas famílias estão “terceirizando” a educação dos filhos para a escola, a qual deveria estar agindo apenas como agente complementar. E isso não é de hoje. E não tem dado certo.
Aí está um dos desafios que temos de enfrentar para resolver, mesmo que a longo prazo, as mazelas que assolam o país. E, como já fizeram muitos países que hoje despontam como referência em qualidade de vida da população, isso se dará pelo aprimoramento do processo de educação das crianças e dos jovens, em casa e na escola, o que resultará, com certeza, em menos violência urbana, menos corrupção e mais solidariedade e amorosidade nas relações sociais.
Artigo editado e publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 18/07/17. Republicado em 10/06/19.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:


Share:

terça-feira, 28 de maio de 2019

O DESEMPREGO E AS MUDANÇAS


Roberto Gameiro
O Brasil tem hoje, segundo o IBGE, 13,4 milhões de pessoas sem ocupação. Esse número equivale a mais do que toda a população da cidade de São Paulo, ou ao somatório das populações das cidades do Rio de Janeiro, Salvador, Brasília e Curitiba.

Ainda de acordo com o IBGE, a população ocupada (91,9 milhões) caiu -0,9% (menos 873 mil pessoas) em relação ao trimestre de outubro a dezembro de 2018.

 
É um momento muito difícil por que passa o mercado de trabalho no país, ocasionando, cada vez mais, dificuldades para acesso e ou recolocação. Não é fácil definir quais faixas etárias têm sido mais atingidas por essa verdadeira “hecatombe” empregatícia.
Os jovens, que já tinham o obstáculo da falta de experiência para acessar o primeiro emprego, e não tinham experiência por que não conseguiam o emprego, agora se juntam aos mais velhos, dispensados, que buscam recolocar-se aceitando novas funções e salários menores.
Difícil encontrar uma família que não tenha pelo menos um membro desempregado.
Esse fenômeno ocasiona mudanças que, como bolas de neve, vão mudando hábitos e posturas em todos os segmentos da atividade humana no país.
Haja mudança!
Segundo o “Institute for the future”, cerca de 85% dos empregos em 2030 ainda não foram inventados: o ritmo da mudança será tão rápido que as pessoas aprenderão momento a momento usando novas tecnologias, como a realidade aumentada e a realidade virtual, e, ainda, que a capacidade de obter novos conhecimentos será mais valiosa do que o próprio conhecimento.
Como se vê, além dos desafios inerentes à recuperação econômica para regressão do percentual de desemprego, há que se adicionar o desafio da adequação do mercado de trabalho às inovações tecnológicas e à consequente nova configuração das profissões.
Essa (nova) realidade, que inclui o incremento de iniciativas empreendedoras como forma de atividade profissional, traz novos contornos ao processo de formação dos nossos filhos. As demandas, agora, são outras. Fiquemos atentos.
Como dizia Heráclito lá pelo ano 500 aC, “nada é permanente, exceto a mudança”.
Publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 29/08/2017. Atualizado no blogue em 28/05/19.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br.


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:

Share:

segunda-feira, 13 de maio de 2019

TEMPO DE TRAVESSIA



Roberto Gameiro

Você já percebeu que as crianças e adolescentes, nossos filhos e alunos, nos desafiam o tempo todo a sair de uma pretensa e possível zona de conforto na qual estávamos acomodados e seguros?

Você, pai ou mãe, percebeu que o nascimento do primeiro filho delineia um antes e um depois familiar e pessoal, e que muitos dos nossos planos têm início após essa data, tendo como referência e parâmetro a vida daquele “serzinho” amado com que fomos premiados?

Opção em áudio no YouTube para pessoas com deficiência, ou para sua comodidade: clique aqui

Fernando Teixeira de Andrade (1946-2008) escreveu certa vez: “Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos.”.

Toda travessia supõe uma posição de saída e outra de chegada, intermediadas por múltiplas posições durante o percurso.

A vida é uma constante travessia. Fazemo-la às vezes sozinhos e na maioria das vezes, felizmente, acompanhados.

A família é a melhor acompanhante para a travessia. Ela nos traz a segurança de um porto seguro ao qual sempre podemos voltar, nem que seja apenas para recarregar as forças numa posição de percurso.

Os pais, os irmãos, a esposa, o marido, os amigos mais chegados constituem, conosco, a “tripulação” dessa “nave” que conduzimos e que conduz os nossos destinos, o nosso sentido de vida.

Entretanto, o homem e a mulher modernos, apesar de tantos meios de comunicação disponíveis, ainda vivem solitários mesmo que acompanhados. E procuram incansavelmente algo que os complete.  

O mesmo Fernando Teixeira de Andrade nos socorre com a afirmação: “Enquanto não atravessarmos a dor da nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades. Para viver a dois, antes, é necessário ser um.”.

Lembremo-nos da afirmação que se atribui a Confúcio: “Você tem duas vidas. A segunda começa quando você percebe que só tem uma.”.

Não fique à margem da sua própria existência. Não seja coadjuvante de si mesmo. Seja protagonista da sua travessia.

Artigo editado e publicado no jornal "O Popular" de Goiânia em 07/05/19.

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br.


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor nas áreas de “Gestão de escolas de Educação Básica” e “Educação de crianças e adolescentes”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br.

Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:


Share:

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa