domingo, 5 de julho de 2020

A REMUNERAÇÃO DAS MULHERES



Negócios, Colaboração, Cooperação

Roberto Gameiro

Certa vez, o pai de uma estudante da escola em que eu trabalhava me procurou. Nitidamente chateado, ele me pediu para conversar com a filha dele, de 18 anos, do Ensino Médio, que estava faltando muito às aulas e ao emprego que tinha em um banco. Alguns dias depois, quando finalmente ela apareceu na escola, chamei-a para dialogar. Comecei, como diz o “protocolo” para esse tipo de conversa, com uma pergunta: qual o motivo de você estar faltando tanto às aulas e ao emprego?

A aluna, por sinal muito bem educada, após algumas ponderações, me disse que estava desencantada com os estudos porque estava vendo conhecidas dela, com formação superior, desempregadas ou trabalhando em funções que exigiam apenas o Ensino Fundamental, ou, ainda, como autônomas e empreendedoras. E, em relação ao emprego no banco, ela me perguntou: o senhor já viu alguma bancária ficar rica? 

Continuamos a conversa por um bom tempo, procurei mostrar a ela as possíveis contradições do posicionamento dela em relação a estudo e emprego, mas, confesso, não sei se a convenci. 

Lembrei-me desse fato após analisar os resultados do módulo de “Rendimentos de Todas as Fontes” da “PNAD Contínua”, divulgada pelo IBGE em 06/05/20, referente ao ano de 2019.

Claro que temos de considerar agora o enorme contingente de desempregados que já tínhamos no país, aumentado consideravelmente com a Pandemia da COVID-19, especialmente após o mês de março/20, o que vai influenciar substancialmente os resultados já a partir do primeiro trimestre e o mercado de trabalho como um todo. 

Chamou-me a atenção, na notícia do IBGE sobre 2019, a informação de que os trabalhadores com ensino superior ganharam, em média, R$5.108,00, renda três vezes maior que a daqueles que tinham somente o Ensino Médio completo e cerca de seis vezes mais que o rendimento dos trabalhadores sem instrução. 

As pessoas que não possuíam instrução em 2019 ganhavam, em média, R$911,00, menos que o salário mínimo que era de R$998,00 na época. O rendimento das pessoas com ensino fundamental completo chegou a R$1.472,00.

“A pesquisa confirma que quanto maior o nível de instrução, maior o rendimento”, conforme a analista da pesquisa, Alessandra Scalioni Brito, que ainda informa que “os resultados constatam que o trabalhador brasileiro está mais escolarizado.”. 

Mas, por oportuna, aí vem a pergunta: e as mulheres? Como estão os patamares de remuneração delas?

“Os homens tiveram rendimento médio mensal 28,7% maior do que o das mulheres em 2019, considerando os ganhos de todos os trabalhos. Enquanto eles receberam R$2.555,00, acima da média nacional (R$2.308,00), elas ganharam R$1.985,00”, segundo a mesma fonte. 

Mais da metade da população em idade de trabalhar era de mulheres (52,4%). Entretanto, os homens eram 56,8% dos que trabalhavam, porque uma parte das mulheres não tem acesso a creches para deixar os filhos.

É difícil de se compreender o porquê dessa diferença na remuneração entre homens e mulheres, até porque, atualmente, percebe-se claramente a competência crescente delas no mercado de trabalho, superando, muitas vezes, os homens, e exercendo, cada vez mais, cargos executivos nas empresas, inclusive nas multinacionais que por aqui ancoraram. 

E não estranhemos se daqui a algum tempo essa relação mude. Elas vêm com tudo. Um exemplo? No último Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM 2019), entre os 53 participantes que conseguiram nota mil na redação, 32 eram mulheres, ou seja, 60,4%. De qualquer forma, há que se valorizar a meritocracia. 
  
O estudo, em todos os níveis e segmentos, não objetiva apenas a obtenção de um diploma ou certificado a ser apresentado aqui ou ali. O estudo deve capacitar o indivíduo para poder enfrentar os obstáculos e desafios que a vida fatalmente lhe trará, com a aquisição de competências e habilidades que o diferenciarão para melhor não só no mercado de trabalho mas também na vida pessoal e nas suas iniciativas como empreendedor ou autônomo. 

Augusto Cury escreveu: “Um ladrão rouba um tesouro, mas não furta a inteligência. Uma crise destrói uma herança, mas não uma profissão. Não importa se você não tem dinheiro; você é uma pessoa rica, pois possui o maior de todos os capitais: a sua inteligência. Invista nela. Estude!”.


Artigo publicado no jornal "O Popular" de Goiânia em 02/07/20. 


(Leia também) (Siga-me) (Compartilhe!)

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br

Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor nas áreas de “Gestão de escolas de Educação Básica” e “Educação de crianças e adolescentes”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br

Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:

Share:

Um comentário:

  1. Parabéns pelo texto extremamente pertinente onde a FGV aponta um índice de desemprego de 17%, é visível que as empresas sempre optaram pelo candidato com maior escolaridade.

    ResponderExcluir

OUÇA OS PODCASTS DE ROBERTO GAMEIRO - Clique aqui embaixo

SIGA-ME: Clique aqui embaixo

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE (digite)

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

CÓPIA, REPRODUÇÃO, CITAÇÃO E COMPARTILHAMENTO

Autorizadas, desde que com a inclusão dos nomes do blogue e do autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa