segunda-feira, 30 de outubro de 2017

A ESCOLA COMO VÍTIMA




Roberto Gameiro

O assassinato de dois meninos numa escola particular de Goiânia neste mês de outubro de 2017, com mais quatro estudantes feridos, repercutiu em nível nacional e internacional, deixando-nos estarrecidos com tal barbárie cometida por um estudante de 14 anos de idade.

Passado o primeiro choque proveniente da notícia, o fato passa a ser objeto de muitas reportagens pela mídia e tema obrigatório nas redes sociais. E, como sói acontecer em ocasiões como essa, começam a aparecer os “iluminados” que se atribuem o direito de apontar culpados.

A busca por “culpados” tende a ser, então, o principal assunto da preocupação dessas pessoas, deixando para segundo plano a dor de todas as famílias envolvidas e dos agentes educacionais da escola.

E é para a escola que eu direciono o foco deste texto, fazendo uma análise genérica que não necessariamente tem a ver com este caso. Ser professor, coordenador, orientador educacional/disciplinar, diretor de escola, hoje em dia, tornou-se profissão de risco, seja em escolas públicas, seja em particulares. Esses profissionais vivem sob tensão, como que esperando quem, onde e o que acontecerá no momento seguinte, fruto do descompasso vivencial que norteia as atitudes dos personagens atuantes na escola, especialmente os alunos e, pasmem, os pais.

É constitucional a responsabilidade da família pela educação dos filhos. Todos sabemos, também, que à escola cabe fazer a gestão das aprendizagens dos jovens, levando-os a adquirir as competências delas decorrentes. No entanto, de há muito, a escola tem sido instada a atuar como protagonista também na educação das crianças e adolescentes, por omissão nesse mister de muitas famílias.

Em função dessas posturas, a escola e, principalmente, os professores, passam a ser considerados responsáveis por tudo. É uma total inversão de valores. Esse é um dos porquês de a escola brasileira falhar; uns abdicam de suas responsabilidades e culpam os outros pelos males decorrentes.

Está mais do que na hora desses pais assumirem por completo a educação dos filhos e tornarem-se parceiros dos professores, respeitando-os e valorizando-os.

Artigo editado e publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 29/10/17.

SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br.


Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br



Share:

4 comentários:

  1. Um fato triste e inacreditável como este acontecido em Goiânia nos conduz a refletir sim, sobre as obrigações atualmente impostas à escola. Muitas famílias delegam por completo a educação de seus filhos exclusivamente às escolas. Cobrando valores familiares que deveriam vir de casa. Questões emocionais, psicológicas, comportamentais, são também, muitas vezes deixadas de lado pelos pais ou passadas integralmente para a responsabilidade escolar. Excelente texto, Roberto!

    ResponderExcluir
  2. Christian de Oliveira Moura4 de dezembro de 2017 10:57

    Sr. Roberto. O pior que é verdade. As pessoas estão mais preocupadas com a mídia.

    ResponderExcluir
  3. Maria Carmen Tavares Christóvão4 de dezembro de 2017 10:59

    Prezado Prof. Roberto Gameiro. Acredito que a saúde da sociedade brasileira dependa de uma profunda valorização da Educação. A Finlândia é resultado dessa revolução. Com um forte investimento em educação e valorização da docência transformaram o país que ocupa hoje os melhores rankings internacionais em todas as áreas. Una delas me admira: o sexto país mais feliz do mundo. Parabéns pela reflexão.

    ResponderExcluir
  4. Muito pertinente essa reflexão sobre o momento que vivemos nas escolas, Professor Roberto. Essa tensão por que passamos diariamente explica a grande quantidade de professores adoecidos e afastados do seu trabalho. Infelizmente não vejo nenhuma luz no fim do túnel, principalmente enquanto a educação não for prioridade para nossos governantes. Um grande abraço!

    ResponderExcluir

TRADUZA - TRANSLATE

Sobre Roberto Gameiro

Sobre Roberto Gameiro
Mestre em Administração com ênfase em Gestão Estratégica de Organizações, Marketing e Competitividade. Pedagogo habilitado em Administração e Supervisão Escolar, Licenciado em Letras Modernas. Pós-graduado com Especialização em Avaliação Institucional Escolar. Diretor de escolas de Educação Básica, professor universitário e de Educação Básica e diretor de obras sociais. É palestrante, consultor e mentor. Articulista, tem seus artigos publicados em jornais, revistas e redes sociais.

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

Sobre o Blogue

ESTE BLOGUE ABRIGA ARTIGOS SOBRE “EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES” E SOBRE “GESTÃO ESCOLAR”. NA SEÇÃO “EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES”, ESPERA-SE QUE OS ARTIGOS POSSIBILITEM LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA, ESPECIALMENTE COM OS FILHOS, NAS DIVERSAS FAIXAS ETÁRIAS. NÓS PAIS ESTAMOS SEMPRE PROCURANDO ENCONTRAR VIAS DE COMUNICAÇÃO COM OS NOSSOS FILHOS, MAS NEM SEMPRE ENCONTRAMOS O VEIO PROPÍCIO, NÃO É? AQUI ESTÁ UMA POSSIBILIDADE. NESTA SEÇÃO, A PRIMEIRA REVISORA E COLABORADORA É A DRA. VALESCA BOTELHO, MINHA ESPOSA, MÉDICA PEDIATRA (CRM-TO 357). NA SEÇÃO “GESTÃO ESCOLAR”, ESPERA-SE QUE OS ARTIGOS CONSTITUAM SUBSÍDIOS ÚTEIS PARA AS ÁREAS DE DIREÇÃO, SUPERVISÃO, COORDENAÇÃO E DOCÊNCIA. SÃO PUBLICADOS, TAMBÉM, TEXTOS DE OUTROS AUTORES, QUE AGREGUEM VALOR AOS OBJETIVOS DO BLOGUE. BOAS LEITURAS!

SEGUIR POR E-MAIL

Pesquisar neste blogue

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa