domingo, 24 de novembro de 2019

PESSOAS DE REFERÊNCIA


Publicado originalmente em 09/10/17

Roberto Gameiro
A Família é o lastro de segurança, o porto seguro que norteia as ações e delimita a construção e a implementação da nossa filosofia de vida. Esse lastro é complementado pela Escola.
Na escola, que recebe imediatamente o eco e os efeitos das mudanças sociais, o controle da disciplina, a colocação de limites, o cumprimento de normas, necessários para a formação do bom cidadão, ganham contornos que exigem constantes atualização e aprimoramento das competências dos educadores.
Há alguns anos, a família brasileira, atônita, tomou conhecimento do caso da filha que planejou o assassinato dos próprios pais. Muito se escreveu a respeito. Muito se discutiu. Devemos, entretanto, tomar muito cuidado para não generalizar aquela postura doentia de uma jovem, para a maioria da juventude. A nossa juventude é, basicamente, constituída de meninos e meninas bons, solidários e afetuosos, que valorizam as relações e, principalmente, a família.
Pesquisa do Datafolha, de 2008, com jovens com idade entre 16 e 25 anos, revelou que o que 84% deles mais valorizam é a família, percentual esse que passa para 91% entre aqueles com maior renda familiar mensal. Trabalho (97%) e estudo (96%) também foram apontados como valores universais entre os jovens.
Cada Família possui suas características próprias, seus princípios e valores culturais, sociais e religiosos, que cultua, prioriza e procura manter. Nos últimos tempos, as famílias, estupefatas, têm visto crescer, assustadoramente, a violência nas ruas e na sociedade em geral. E, como estruturas sistêmicas que buscam proteger seus membros, fecham-se atrás de grades, alarmes e sistemas de segurança.
Muitas vezes, famílias bem constituídas, preocupadas e vigilantes em relação à educação dos filhos, são pegas de surpresa com atitudes reprováveis dos mesmos na escola, no clube, no prédio…
Hoje, muitas crianças e adolescentes estão confusos e sem perspectiva, por falta de referências que alicercem suas existências, apontem rumos e ajudem a marcar limites.
Testar o adulto, questionar, é próprio do adolescente. Essa testagem, esse questionamento, geralmente nada mais são do que busca de segurança, de amparo, de ponto de referência. Se encontra características de firmeza, afeto, ternura, compreensão e bom senso, ele passa a se considerar, mesmo que não conscientemente, “protegido” por aquele adulto, no qual passa a confiar. Se não encontra aquelas características, o adolescente, num primeiro momento, se sente “vitorioso”:  “venci o adulto”; e esse sentimento de “vitória” é substituído, rapidamente, por um misto de fragilidade e falta de amparo:  “se eu venci o adulto, quem resta agora para me orientar? ”  E é aqui que está o momento delicado que nem sempre conseguimos identificar.

É importante a existência de “pessoas de referência” na vida das crianças e dos adolescentes, que sejam presentes e inspiradoras de posturas e ações construtivas e saudáveis, que encarnem valores profundos e os proclamem com força significativa. De preferência, por óbvio, os próprios pais.

Os professores também podem constituir norte importante na construção dos sentidos de vida de seus alunos; às vezes, independentemente de suas crenças e convicções; às vezes, em função de; às vezes, apesar de.

(Leia também)          (Siga-me)
Artigo editado e publicado no jornal “O Popular” de Goiânia em 27/09/17.


SE VOCÊ GOSTOU DESTE ARTIGO, veja outros posts de Roberto Gameiro em: http://www.textocontextopretexto.com.br

Roberto Gameiro é Palestrante, Consultor e Mentor na área de “Gestão de escolas de Educação Básica”. Contato: textocontextopretexto@uol.com.br


Conheça o PORTFÓLIO de Roberto Gameiro:


Share:

3 comentários:

  1. Maria Carmen Tavares Christóvão4 de dezembro de 2017 10:52

    Parabéns Prof. Roberto. O texto é inspirador para todos aqueles que procuram a educação como motor de transformação social.

    ResponderExcluir
  2. Nós educadores temos percebido que as familias estão cada vez mais despreparadas para criarem seus filhos. Os filhos cada dia mais entregues as influências fora de casa e as escolas insensíveis a esses fatos. Boa reflexão como todas as que nos apresenta em seus textos Professor Roberto!

    ResponderExcluir
  3. A parceria entre a família e a escola é de suma importância para o sucesso no desenvolvimento intelectual, moral e na formação de crianças e adolescentes.

    ResponderExcluir

SIGA-ME: Clique aqui embaixo

TRADUZA - TRANSLATE

PESQUISE NESTE BLOGUE (digite)

PÁGINAS COM MENSAGENS DE ROBERTO GAMEIRO

Adquira já o livro digital!

Adquira já o livro digital!
O TEXTO NO CONTEXTO COMO PRETEXTO: PARA LEITURA E DEBATE EM FAMÍLIA - COM OS FILHOS

Reprodução

Autorizada, desde que com a citação dos nomes do Blogue e do Autor.

SEGUIR POR E-MAIL

Busca na Wikipedia. Digite o assunto.

Resultados da pesquisa